EDITORIAL – A ELEIÇÃO DOS SAPOS

EDITORIAL
Spread the love

Numa densa floresta, onde sapos de todas as cores e tamanhos viviam em harmonia, havia chegado o momento de eleger um novo líder entre eles. Os sapos pequenos e os grandes reuniram-se na clareira central, ansiosos para escolher seu novo rei.

O velho rei sapo, um sapo grande e robusto chamado Frederico, estava prestes a se aposentar e queria garantir que seu sucessor fosse alguém que continuasse seus ideais. Mas, secretamente, ele tinha outros planos em mente.

“Meus queridos sapos!”, anunciou Frederico em sua voz retumbante, “Chegou a hora de eleger o próximo líder de nossa comunidade. Como rei sapo, é meu dever garantir que todos sejam representados adequadamente.”

Os sapos pequenos olharam com esperança para Frederico, confiantes de que ele os entenderia e lhes daria voz. Mas Frederico tinha outros planos em mente. Ele conspirou com os sapos grandes, prometendo-lhes favores e influência em troca de seu apoio.

Enquanto isso, um sapo humilde chamado Tobias, conhecido por sua sabedoria e honestidade, se apresentou como candidato alternativo. Ele defendia os interesses de todos os sapos, grandes e pequenos, prometendo uma liderança justa e equitativa.

A eleição começou, e os sapos grandes e pequenos votaram entusiasmados. Frederico, com sua manipulação sutil, garantiu uma vitória esmagadora. Os sapos grandes comemoraram sua vitória, enquanto os sapos pequenos esperavam ansiosamente pelos favores prometidos.

No entanto, conforme o tempo passava, tornou-se evidente que Frederico não tinha intenção de cumprir suas promessas. Os sapos pequenos esperavam em vão por sua vez de serem ouvidos e beneficiados. Enquanto isso, os sapos grandes desfrutavam de sua influência sem preocupações.

Desiludidos e decepcionados, os sapos pequenos voltaram sua atenção para Tobias, o sapo honesto que havia sido derrotado. Reconhecendo sua integridade e preocupação genuína pelo bem-estar de todos, os sapos pequenos decidiram apoiá-lo novamente.

Em uma nova eleição, Tobias emergiu como o vencedor, conquistando os corações e mentes de todos os sapos da floresta. Com ele como líder, os sapos grandes e pequenos trabalharam juntos em harmonia, desfrutando dos benefícios de uma liderança verdadeiramente justa e inclusiva.

E assim, os sapos aprenderam uma valiosa lição: nem sempre o mais poderoso é o mais digno de confiança, e é a honestidade e a preocupação genuína com o bem comum que verdadeiramente fazem um líder.

Por: Anselmo Alcântara

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *